O remédio ‘similar’ é igual ao de marca?

A Anvisa estabeleceu, nesta segunda-feira (13), os procedimentos e requisitos necessários para que o remédio similar possa substituir o remédio de referência.

A medida foi oficializada por meio da publicação da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) Nº 58/2014 no Diário Oficial da União.

Pela nova regra, os similares que já tenham comprovado equivalência farmacêutica com o remédio de referência da categoria poderão declarar na bula que são substitutos ao de marca.

A medida poderá ser adotada pelos fabricantes a partir de 1º de janeiro de 2015 e terão 12 meses para fazer a alteração nas bulas. A Anvisa igualmente vai manter uma lista atualizada dos similares intercambiáveis para orientar médicos, farmacêuticos e pacientes sobre quais produtos possuem equivalência já comprovada na Agência.

Similares e Referência

A determinação de equivalência dos remédios similares é possível devido a determinação da Anvisa de que todos os produtos desta categoria comprovassem que são iguais aos remédios de referência.

Em 2003, a Agência publicou a resolução RDC 134/2003, determinando um calendário de 10 anos para a adequação e a apresentação dos testes de biodisponibilidade relativa e equivalência farmacêutica.

Estes testes comprovam que o remédio similar possui o mesmo comportamento no organismo (in vivo), assim como as mesmas características de qualidade (in vitro) do remédio de referência.

Até o final de 2014, todos os remédios similares do mercado serão tecnicamente iguais aos produtos de referência. Para ser considerado intercambiável o remédio deve apresentar um dos três testes: bioequivalência, no caso dos genéricos; biodisponibilidade, para os similares; e bioisenção, quando não se aplicam nenhum dos dois casos anteriores. Na prática, o objetivo destas três análises é o mesmo, comprovar a igualdade dos produtos.

Diferenças entre as três categorias de remédios

remédio de referência é inovador, registrado na Anvisa e comercializado no país, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. A eficácia e segurança do remédio de referência são comprovadas através de apresentação de estudos clínicos.

remédio similar é aquele que contém o mesmo ou os mesmos princípios ativos, apresenta mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica, e que desde 2003 passou a comprovar a equivalência com o remédio de referência registrado na Anvisa. Hoje representam 24% do mercado nacional.

remédio genérico é aquele que contém o mesmo princípio ativo, na mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e com a mesma indicação terapêutica do remédio de referência. Já é intercambiável pela norma atual e respondem, hoje, por 37% do mercado nacional.

O vindouro presidente da República do Brasil será eleito para um mandato de quatro anos (2015-2018) no dia 26 de outubro de 2014, data do segundo turno das Eleições 2014.

 Na disputa presidencial do primeiro turno neste domingo (5), o percentual de votos do primeiro e segundo colocados ficou em 41,59% e 33,55%, respectivamente. Os votos em branco somaram 3,85% e os nulos, 5,75%. A abstenção foi de 17,51%.

Em 13 estados brasileiros a definição de governadores igualmente será decidida apenas no segundo turno. Ainda neste domingo, mais de 142,8 milhões de brasileiros, entre os 26 estados do País e o Distrito Federal, foram às urnas para escolher seus candidatos à Presidência da República, governo estadual, Senado e deputados estadual/distrital e federal.

Confira a situação de cada estado na disputa dos postos para governador:

Combate definida já no primeiro turno:

Alagoas (decisão com 52,16% dos votos válidos) Bahia (decisão com 54,53% dos votos válidos) Espírito Santo (decisão com 53,44% dos votos válidos) Maranhão (decisão com 63,52% dos votos válidos) Mato Grosso (57,25% dos votos válidos) Minas Gerais (52,98% dos votos válidos) Paraná (55,67% dos votos válidos) Pernambuco (decisão com 68,08% dos votos válidos) Piauí (decisão com 63,08% dos votos válidos) Roraima (64,29% dos votos válidos) Santa Catarina (51,36% dos votos válidos) São Paulo (57,31% dos votos válidos) Sergipe (53,52% dos votos válidos) Tocantins (51,30% dos votos válidos)

Combate a ser definida no segundo turno:

Acre (porcentagens de votos do primeiro e segundo colocados foi de 49,73% e 30,10%, respectivamente) Amapá (42,18% e 27,53%) Amazonas (43,13% e 43,05%) Ceará (47,80% e 46,41%) Distrito Federal (45,23% e 27,97%) Goiás (45,86% e 28,20%) Mato Grosso do Sul (42,92% e 39,09%) Pará (49,88% e 48,48%) Paraíba (47,44% e 46,05%) Rio de Janeiro (40,57% e 20,26%) Rio Grande do Norte (47,34% e 42,04%) Rio Grande do Sul (40,40% e 32,57%) Rondônia (35,86% e 35,42%)

Primeiro turno em números

Nesta primeira fase das Eleições 2014, 142.822.046 eleitores estavam aptos para votar. Destes, 68.247.598 eram homens, e 74.459.424, mulheres. Comparando as faixas etárias dos eleitores, 1.638.751 eram jovens (16 e 17 anos) e 24.297.096, idosos (60 anos ou mais). No total, eleitores que votaram em trânsito neste 1º turno somaram 84.349.

Nestas Eleições, os locais de votação foram 96.146, distribuídos pelos 5.570 municípios brasileiros e 118 países. Neste cenário, 764 municípios com mais de 21 milhões de eleitores utilizaram da nova tecnologia com identificação biométrica para captar os votos.

Boas notícias para a Educação de Jataí – Goiás

Outubro iniciou com uma grande notícia para os jataienses, a prefeitura de Jataí, através da Secretaria de Obras iniciou nesta terça-feira, dia 01 de outubro, as obras da nova sede da Secretaria Municipal de Educação. A obra está localizada no Bairro Primavera, no prédio onde seria a sede da Fundação Educacional, hoje mesmo os funcionários da Secretaria de Obras começaram o serviço de fechamento do local, nos próximos dias será feito uma limpeza interna e externa em toda área. A obra será executada pela própria secretaria de Obras, que ainda não levantou os valores de execução, mas ela está prevista para ser entregue para as festividades dos 120 anos de Jataí. Prefeitura de Jataí, todos por uma localidade melhor ! Confira as fotos:
 

Alunos da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Marineida Meneghelli de Lucca, na Vila São Pedro, participaram nesta terça-feira (22) do plantio de 80 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica na Praça Santo Expedito, no Jardim Palermo.

Os estudantes – cada um plantou uma árvore – participam do projeto Tempo de Sustentabilidade, ação que é desenvolvida na rede municipal de São Bernardo do Campo com alunos do Programa Tempo de Escola.
  • O prefeito e o secretário de Serviços Urbanos participaram da atividade, e cada um plantou uma muda. Araçá, cambuci, pitangueira, ipê-amarelo, ipê-roxo, manacá, pata-de-vaca, cedro rosa e pau-ferro, entre outras espécies plantadas na praça, são parte das cerca de 1,2 mil mudas que serão plantadas na localidade como compensação ambiental pelas obras de combate às enchentes do Programa Drenar no Paço Municipal, onde está sendo elaborado piscinão com capacidade para armazenar até 220 milhões de litros de água da chuva.
  •  
  • O prefeito ressaltou a importância do trabalho para conscientização dos jovens com relação à preservação da natureza. "É necessário que obras sejam feitas na nossa localidade, mas necessitamos sempre respeitar o ambiente em que vivemos. As compensações das obras do Drenar são exemplo disso, e conta com o trabalho relevante da Educação. Esse tipo de atividade realizada hoje com os alunos com toda certeza ficará marcada em suas lembranças."
  • As mudas têm cerca de dois metros de altura, em média, e a previsão é de que sejam necessários seis meses para que fixem no solo. É realizada a adubação das espécies nos três primeiros meses; após esse período, a cada seis meses. Os profissionais que acompanharam o plantio são contratados pela empresa que faz as obras do Drenar, e o trabalho é coordenado pelo Departamento de Parques e Jardins, da Secretaria de Serviços Urbanos.
  • A aluna Jesscyca Alves Rocha afirmou ter adorado a iniciativa, e lembrou que a primeira árvore que ajudou a família a plantar foi um cajueiro, na Bahia. "Essa praça vai ficar linda. Temos de preservar a natureza, pois as árvores têm muitas qualidades, dão sombra, frutos, e ajudam a manter o clima agradável. Sem elas não existiríamos. Acho que a localidade precisa que aconteçam mais ações como essa."  
  • Os estudantes participaram de todo o processo de plantio: prepararam a terra com adubo e nutrientes, usaram enxada para completar o plantio, fixaram a estaca de sustentação da muda e, por último, regaram a planta. Todas as árvores receberam o nome do aluno que realizou o plantio.
  • O secretário de Serviços Urbanos parabenizou o trabalho das coordenadoras do Tempo de Sustentabilidade: "Essa atividade é muito relevante, pois ajuda a preservar o meio ambiente e torna a nossa localidade muito agradável, ademais de conscientizar as crianças. Acho o programa Tempo de Escola muito bom, em particular a ação desenvolvida pelo Tempo de Sustentabilidade, que trabalha ações voltadas ao meio ambiente."
  • Fala Marineida – Os repórteres mirins da Emeb Marineida Meneghelli Lucca aproveitaram para entrevistar o prefeito e o secretário de Serviços Urbanos sobre questões relativas ao dia a dia de suas funções, pontos positivos e momentos marcantes. O resultado da entrevista deverá ser publicado nos próximos dias no http://falamarineida.wordpress.com, blog mantido pelos alunos da unidade educacional.

    Como ver o andamento de financiamento de casa na Caixa?

    Uma ferramenta a disposição no portal da Caixa Econômica Federal tem permitido que as pessoas que deram entrada nos papéis para a contratação de um financiamento habitacional possam ter comunicações sobre o processo, sem precisar ir até uma agência.

    Para acessar o serviço, bastar abrir apágina de habitação do site da Caixaclicar em serviços e, em seguida, no ícone acompanhe seu financiamento. O cliente deverá comunicar o CPF ou CNPJ, data de nascimento e número da proposta. Se estiver com todos os dados em mãos, é só clicar em confirmar e observar como está o andamento do financiamento.

    Segundo com o tipo do financiamento, o mutuário terá respostas sobre a situação da proposta, a análise dos documentos, a avaliação de crédito, o cadastramento dos participantes da operação de crédito imobiliário, além da liberação dos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), caso esteja em uso na transação.

    Documentação e FGTS

    No serviço de acompanhamento da proposta, existem várias abas para que o vindouro mutuário possa consultar a situação do seu processo de financiamento. A aba sobre a situação da proposta comunica se o financiamento está em análise, se foi aprovado (já com a data para a assinatura do contrato) ou se a proposta foi rejeitada.

    No item que trata do imóvel, o candidato ao financiamento poderá obter comunicações sobre a posição da área de engenharia da CAIXA na avaliação do imóvel que quiser comprar ou construir. Se tudo estiver certo, o cidadão será comunicado de que a análise foi concluída pela equipe da Caixa e do valor em reais liberado.

    Uma outra área traz comunicações sobre a utilização dos recursos da conta do FGTS na operação. Quando é autorizada a utilização do dinheiro do FGTS, o cliente é comunicado do valor em reais.  Se o pedido for negado, o mutuário deve buscar o local em que pediu o financiamento para saber a razão.

    Caso haja qualquer pendência ou restrição em qualquer uma das fases, o cliente será avisado pelo sistema. Nesse caso, terá que ir a uma agência da Caixa ou equivalente CAIXA Aqui para esclarecer o que houve.

    De abril de 2013 a setembro de 2014, a ferramenta que permite a consulta aos processos para a contratação de financiamentos habitacionais já foi acionada 347 mil vezes.

      O que parecia ser uma simples suspeita de receptação de veículo, acabou se transformando numa das maiores apreensões de cheques roubados, que se tem notícia nos anais da segurança pública de Arapongas.


    Bom trabalho da Guarda Civil
    Segundo o secretário de Segurança, Antonio Glênio de Oliveira Machado, o caso iniciou a ser desvendado na manhã desta sexta-feira, 12, quando uma equipe do Grupo de Apoio Tático (GAT) estava em patrulhamento pela Vila Araponguinha e avistou um Peugeot 206, de Joinville/SC.
    "Ao verificarem no sistema constava indicativo de roubo, sendo que em seguida um cidadão se apresentou como sendo o proprietário, alegando ter comprado o veículo de terceiros", acrescentou o secretário.
    Ele ressalta que, diante da situação a equipe solicitou o apoio da Polícia Militar para fazer uma verificação na residência onde se localizava o indivíduo e para surpresa, foram encontrados mais de 400(quatrocentas) folhas de cheque totalizando um valor de 840(oitocentos e quarenta) mil reais. "Depois verificou-se serem produtos de roubo de uma agência Sicoob e de um shopping atacadista da localidade de Cianorte", destacou Glênio. Finalizando o secretário informou que diante do fato, o cidadão foi encaminhado juntamente com o veículo para a Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos legais, sendo que a ocorrência demonstra mais uma vez o grau de preparação dos Guardas Municipais que prestam serviço de patrulhamento nas ruas e bairros da localidade.  
     

    Entre as doenças ocasionadas pelo consumo do cigarro estão o câncer e o enfisema

    Entre as doenças ocasionadas pelo consumo do cigarro estão o câncer e o enfisema

    O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável no mundo. A organização avalia que um terço da população mundial adulta, cerca de 2 bilhões de pessoas, sejam fumantes. Pesquisas comprovam que cerca de 47% de toda a população masculina mundial e 12% da feminina fumam.

    A fumaça do cigarro tem mais de 4,7 mil substâncias tóxicas. O alcatrão, exemplificativamente, é composto de mais de 40 compostos cancerígenos. Já o monóxido de carbono (CO) em contato com a hemoglobina do sangue dificulta a oxigenação e, consequentemente, ao privar alguns órgãos do oxigênio causa doenças como a aterosclerose (que obstrui os vasos sanguíneos). A nicotina é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) droga psicoativa que causa dependência. Ela igualmente aumenta a liberação de catecolaminas, que contraem os vasos sanguíneos, aceleram a freqüência cardíaca, causando hipertensão arterial.

    O tabagismo está relacionado a mais de 50 doenças sendo responsável por 30% das mortes por câncer de boca, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença do coração, 85% das mortes por bronquite e enfisema, 25% das mortes por derrame cerebral. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo ano mais de cinco milhões de pessoas morrem no mundo por causa do cigarro. E, em 20 anos, esse número chegará a 10 milhões se o consumo de produtos como cigarros, charutos e cachimbos continuar aumentando.

    Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), vinculado ao Ministério da Saúde, o tabaco igualmente tem relação com a impotência sexual e infertilidade masculina pois, segundo estudos, prejudica a mobilidade do espermatozóide. Os mesmos prejuízos igualmente são atribuídos ao cachimbo e ao charuto. Apesar de não serem tragáveis, possuem uma concentração de nicotina maior, que é absorvida pela mucosa oral.

    Não só o fumo ativo, mas o passivo igualmente aumenta os riscos de doença. Sete não fumantes morrem por dia em consequência do fumo passivo. O tabagismo passivo aumenta em 30% o risco para câncer de pulmão e 24% o risco para infarto.

    Para obter comunicações sobre tabagismo consulte o site do Instituto Nacional de Câncer (Inca), órgão do Ministério da Saúde responsável por coordenar e executar o Programa de Controle do Tabagismo no Brasil.

    Ou ligue no Disque Saúde (136).

    Fumo no Brasil

    No Brasil, o número de fumantes permanece em queda. Segundo o Vigitel 2013 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), em 2013, a prevalência de fumantes caiu para 11,3%. O dado é três vezes menor que o índice de 1989, quando a pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou 34,8% de fumantes na população. A meta do Ministério da Saúde é chegar a 9% até 2022.

    O tabagismo é uma doença epidêmica responsável por cerca de 200 mil mortes por ano no Brasil. Os cânceres de pulmão e laringe são os que mais matam no país. Em 2012, foram registrados 23.501 óbitos de câncer de pulmão e 4.339 de laringe. Para 2014, avalia-se o surgimento de 27,3 mil novos casos de câncer de pulmão e 6.870 de laringe.

    “Resolvi que a partir de um determinado dia eu não fumaria mais. Ainda passei um tempo sonhando que estava fumando, o que gerava um desejo enorme de voltar atrás, mas conversava comigo mesmo sobre a necessidade de sustentar essa decisão pela minha saúde e por querer viver mais”, conta Hélio Reis, do Pará, que influenciou familiares e amigos a igualmente deixarem o tabagismo.

    A pneumologista Cristina Cantarino conta que quem já tentou parar de fumar, mas não concluiu o tratamento, deve aprender com as dificuldades. “Você deve identificar o que impediu seu sucesso no processo de parar de fumar e tentar novamente. Também é usual que as pessoas coloquem todo o crédito no remédio, mas é relevante ressaltar que é a mudança de comportamento que te faz parar igualmente”, explica a pneumologista.

    Leis Antifumo

    Desde 1996, o Brasil conta com uma lei federal número 9.294 que restringe o uso – e igualmente a propaganda – de produtos derivados de tabaco em locais coletivos, públicos ou privados,  com exceção às áreas destinadas para seu consumo, desde que isoladas e ventiladas (igualmente conhecidos como fumódromos).

    Porém, com o objetivo de se aproximar mais do artigo 8 da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, tratado internacional elaborado pela Organização Mundial da Saúde e do qual o Brasil é signatário, estados e municípios têm elaborados leis que eliminam a presença dos fumódromos e proíbem o consumo de cigarros, charutos, cachimbos e cigarrilhas em bares, restaurantes, casas noturnas, unidade educacionals, áreas comuns de condomínios e hotéis, supermercados, shoppings etc.

    A fiscalização, aliada à aplicação de multas (previstas em lei) aos estabelecimentos e à adesão da população, tem feito com que as leis sejam, de fato, respeitadas.

    Em usual, as legislações estaduais têm: a proibição do fumo em locais fechados, a atuação de agentes fiscalizadores, a possibilidade de a população denunciar estabelecimentos em que a lei não é aplicada, e a liberdade que os donos ou responsáveis por tais lugares têm de expulsar quem não segue a legislação (vale lembrar que são eles quem pagam a multa e podem ter seus negócios fechados).

    Algumas localidades do País igualmente possuem leis próprias que proíbem o uso do cigarro em ambientes fechados.

    A ação humana e as florestas que pegam fogo

    Com a intensificação do período de seca, os incêndios florestais aumentam na mesma proporção em que a umidade relativa do ar diminui. O problema se agrava em áreas do Cerrado, presentes em dez estados e no Distrito Federal, e a mudança de comportamento ajuda a evitar o alastramento do fogo no bioma. Atitudes simples como não jogar bitucas de cigarro pela janela do carro aparecem entre as ações que podem contribuir para conter as queimadas.

    A atividade humana é uma das principais causas de queimadas nesta época do ano. Segundo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), 90% dos incêndios florestais têm de origem antrópica - fruto da ação do homem. Na maioria dos casos, decorrem do uso incorreto do fogo para a renovação de pastagens, da caça e de ações criminosas em represália à criação e gestão de unidades de conservação. Em menor escala, há casos de queimadas que começam, de maneira natural, por conta de raios.

    O território atingido pelos incêndios florestais tem apresentado aumento. Segundo com o Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, a queima proposital de resíduos sólidos perto de áreas verdes é o motivo mais recorrente dos incêndios atendidos no período de os chamados na capital federal. Apenas em junho deste ano, 395,16 hectares de vegetação foram consumidos pelo fogo - aumento de 77,8% em relação aos 222,23 hectares verificados em junho de 2013.

    Brigadistas

    Para combater os focos de incêndios florestais, o governo federal adotou medidas como o reforço do efetivo que atua em campo. Ao todo, 1.589 brigadistas foram contratados para formar as equipes do Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (PrevFogo) em todo o País. Os profissionais ficam em pontos estratégicos nas Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste e se concentram em atividades de prevenção e manejo nas unidades de convenção.

    Do total, 175 brigadistas atuam nas unidades de conservação federais contempladas pelo projeto Cerrado-Jalapão, em Tocantins, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em cooperação com o governo alemão e em parceria com o ICMBio e outros órgãos. “As equipes fazem a prevenção por meio de aceiros (desbaste de um terreno em volta de matas para impedir propagação de incêndios) e participam das atividades de pesquisa”, explica a analista ambiental do ICMBio, Ângela Garda.

    O efetivo desempenha um trabalho contínuo de prevenção, combate e conscientização nas áreas de maior risco. “Os brigadistas têm papel fundamental no resultado das ações de manejo integrado do fogo, pois não são apenas combatentes de incêndio, são agentes comunitários de sensibilização e se envolvem na queima controlada, educação ambiental e pesquisa”, justifica Ângela. Segundo ela, a meta é reduzir a área atingida pelas queimadas com a implantação do manejo integrado e adaptativo do fogo. “(Os incêndios) são ameaças à proteção do patrimônio natural”, alerta.

    Jipes

    Veículos especiais são usados pelas equipes de prevenção e combate ao fogo. Na região do Jalapão, quatro marruás – jipes desenvolvidos para operações militares – fazem o transporte de brigadistas e materiais a pontos de complicado acesso nas unidades de conservação. A aquisição somou o investimento de R$ 800 mil, financiados pelo projeto Cerrado-Jalapão. Os automóveis tornaram o trabalho mais eficiente nas unidades de conservação, já que deslocam as equipes com mais rapidez e segurança aos focos de incêndio e áreas estratégicas para ações de prevenção.

    A nível nacional, o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (PPCerrado) é a ferramenta estratégica de combate aos incêndios florestais no bioma. O documento traça ações táticas e operacionais que são implantadas por meio da articulação entre União, Estados, municípios, sociedade civil, setor empresarial e universidades.

    Fique atento

    Veja como ajudar a evitar queimadas:

    - Não jogue bitucas de cigarro pela janela do carro

    - Não fume em matas e locais com muita vegetação

    - Impeça crianças de brincar com fogo em áreas verdes

    - Evite fazer fogueiras em áreas de vegetação

    Como funciona?

    Confira os principais elementos nos casos de incêndios florestais:

    - O combate busca suprimir o chamado triângulo do fogo: calor, oxigênio e combustível (vegetação, no caso das queimadas)

    - Para os incêndios de pequenas proporções, as brigadas usam abafador, bomba costal e motobomba

    - Diante de queimadas de maiores proporções, são aplicados recursos como caminhão-pipa, helicópteros e aviões agrícolas para aspersão de água

    Saiba mais sobre o Cerrado

    Segundo maior bioma da América do Sul, o Cerrado ocupa 24% do território brasileiro, em uma área total de cerca de 2 milhões de km2. Está presente no Distrito Federal e nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Maranhão, Bahia, Piauí, Minas Gerais, São Paulo e Paraná, o que soma 1.330 municípios. Nessa região, ficam as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata).

    Em decorrência da diversidade biológica, o Cerrado é caracterizado como a savana mais rica do mundo. Ao todo, 11.627 espécies de plantas nativas, 199 diferentes mamíferos e 837 exemplares distintos da avifauna habitam o bioma, ademais de 1,2 mil espécies de peixes, 180 répteis e 150 anfíbios. O cerrado conta, ainda, com diversas populações que sobrevivem de seus recursos naturais, envolvendo etnias indígenas, quilombolas, ribeirinhos e outros povos tradicionais.

    Tomar remédios sem consultar o médico é mais perigoso do que se imagina

    Hábito pode aumentar a resistência de microorganismos e causar reações e dependência

    Hábito pode aumentar a resistência de microorganismos e causar reações e dependência

    A automedicação pode trazer consequências graves à saúde, como reações alérgicas e dependência. Além disso, de acordo com o Ministério da Saúde, o hábito pode aumentar a resistência de microorganismos e inibir a eficácia dos remédios.

    Segundo com o Ministério da Saúde, nos últimos cinco anos, quase 60 mil casos de internações por automedicação foram registrados no Brasil.

    O estudante Stuart Figueredo, exemplificativamente, tem bronquite asmática e compra os remédios sem receita médica para tratar a doença. Ele conta que já percebeu os efeitos da automedicação. "Eu compro bombinha, inalador, para melhorar da asma, e já tem tanto tempo que eu faço essa automedicação que às vezes o remédio não surte tanto efeito. Já tiveram algumas situações em que o uso da bombinha ou então do inalador, da nebulização, não surtiu efeito que eu precisava. Eu precisava de verdade ir no hospital e fazer o tratamento correto para que eu pudesse sarar daquele sintoma", conta.

    Segundo o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha, optar pela automedicação pode trazer consequências graves para a saúde. "Pode matar, os excessos de remédios ou às vezes o uso prolongado de um remédio. Os efeitos colaterais, os efeitos adversos. Basta ler as bulas, vocês vão ver que todos os remédios, eles podem ter efeitos adversos. O uso indevido de remédios, ele pode piorar a qualidade de vida em vez de melhorar a qualidade de vida se ele for utilizado inadequadamente", reforça.

    Saiba como escolher o plano de saúde ideal

    Dicas de como escolher um plano

    Nesta seção você encontrará todas as comunicações necessárias para selecionar o melhor plano para você e sua família.


    Conheça as maneiras de contratação de planos de saúde

    É relevante saber esta distinção porque algumas regras mudam de acordo com tipo de contratação.

    Plano de saúde individual/familiar

    Se você contratar o seu plano de saúde diretamente com a operadora que vende planos, o seu plano de saúde é do grupo dos planos individuais ou familiares.

    Clique aqui para conhecer o que você deve saber antes de adquirir um plano de saúde individual ou familiar.

    Plano de saúde coletivo

    Existem dois tipos de planos coletivos: os empresariais, que prestam assistência aos funcionários da empresa contratante devido ao vínculo empregatício ou estatutário; e os coletivos por adesão, que são contratados por pessoas jurídicas de caráter profissional, classista ou setorial, como conselhos, sindicatos e associações profissionais.

    Tenha em mente que, ao aderir a um contrato de plano de saúde coletivo, é como se você afirmousse: “Estou de acordo com as regras desse contrato e essa empresa/sindicato/associação tem legitimidade para representar meus interesses, definir o que é melhor para mim e está autorizada a falar em meu nome sobre esse assunto.” Assim, o que for negociado entre a empresa contratante do plano e a operadora do plano valerá como regra a ser seguida por você.

    Ao adquirir um plano de saúde coletivo, saiba que, em geral, as regras para esse tipo de contrato são mais flexíveis. Assim, exemplificativamente, no caso dos planos de saúde individuais ou familiares, a ANS limita o percentual de reajuste das mensalidades. Já no caso dos planos de saúde coletivos, a ANS apenas acompanha os reajustes de preços, que são negociados diretamente entre a operadora que comercializa o plano e a empresa, conselho, sindicato ou associação profissional que contratou o plano de saúde.

    Se, após aderir ao plano, você discordar de alguma das decisões tomadas pela empresa contratante, você tem duas opções:

    • conversar com essa empresa, conselho, sindicato ou associação profissional, para que ela represente melhor seus interesses; ou
    • buscar um novo plano de saúde e desligar-se desse contrato, se possível, através da portabilidade de carências, para evitar ter que aguardar prazos de carência no novo plano. Saiba como fazer aqui.

    Se quem contratou o seu plano de saúde foi o seu empregador, sindicato ou associação, aqui estão as principais comunicações que você deve conhecer.


    O que você deve saber antes de contratar um plano

    Após refletir sobre suas necessidades e selecionar o melhor plano de saúde para você e sua família, confira informações relevantes antes contratar o plano.

    Clique aqui para acessar as dicas para contratação de planos.

    As últimas notícias da cidade – acidentes, crimes, eleições, festas