Blog de Notícias de MACAPARANA


Siga-nos e receba notícias e assuntos de interesse das cidades






PF faz operação contra fraude na compra de material escolar em PE

A Polícia Federal realiza nesta quarta-feira (10) operação contra fraude na compra de material escolar no Recife e em mais seis cidades de Pernambuco. Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão, além de oito intimações. A PF chegou a pedir à ...

PF desarticula organização criminosa que fraudava licitações em Pernambuco

A Polícia Federal, juntamente com a Controladoria Geral da União (CGU) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), desencadeou hoje (10) a Operação Invictus. Objetivo é desarticular uma associação criminosa composta por empresários do ...

Últimas notícias de MACAPARANA PE:


Polícia Federal desarticula cartel que fraudava licitações em sete cidades de Pernambuco RECIFE - A Polícia Federal, a Controladoria Geral da União (CGU) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deflagraram nesta quarta-feira a Operação Invictus, destinada a desarticular cartel formado por livrarias e papelarias que ...
Livrarias e prefeituras são alvos de operação da Polícia Federal em PE Uma operação da Policia Federal desarticulou um esquema de fraude em licitações de material escolar em cinco municípios de Pernambuco. O sobrepreço nos contratos era de até 80% e o prejuízo aos cofres públicos chega aos R$ 2 milhões. Quinze ...
PF faz operação em Pernambuco contra fraude na compra de material escolar Policiais federais apreenderam hoje (10), no Recife e em outras seis cidades de Pernambuco, documentos, notas fiscais e contratos encontrados em sedes de empresas e nas residências e locais de trabalho de pessoas suspeitas de envolvimento em esquema de ...

PF faz operação em Pernambuco contra fraude na compra de material escolar Policiais federais apreenderam hoje (10), no Recife e em outras seis cidades de Pernambuco, documentos, notas fiscais e contratos encontrados em sedes de empresas e nas residências e locais de trabalho de pessoas suspeitas de envolvimento em esquema de ...

Quando um parente saca aposentadoria de morto está cometendo crime de estelionato

Sempre que um segurado da Previdência Social – que recebe algum tipo de benefício, como aposentadoria, pensão por morte, amparo social, entre outros – vem a  falecer, é responsabilidade da família e dos cartórios civis, que emitem a certidão de óbito, informar a morte ao INSS, para que haja suspensão do pagamento do benefício.

Caso o segurado falecido recebesse uma Aposentadoria ou um Auxílio Doença  e tenha dependentes (esposa/o, companheiro/a, filhos menores de idade ou inválidos, ou, na falta destes, o pais), a família deve  agendar o pedido de Pensão por Morte, pela Central 135 ou pela página eletrônica da Previdência Social, www.previdencia.gov. br.

No entanto, se o segurado que falecer não tiver dependentes, o óbito deve ser comunicado à Previdência Social e os valores depositados pelo INSS na instituição pagadora, em nome do segurado, não devem ser retirados. Em quaisquer das situações acima, sacar o valor do benefício pago à outra pessoa caracteriza crime de estelionato.

Portanto, se na sua família acontecer o óbito de alguém que recebia benefício do INSS, a orientação é entrar em contato com a Central 135 para se informar sobre a maneira correta de proceder, de acordo com a Lei.

O recebimento de benefício pós-óbito costuma acontecer quando o segurado passa a alguém de sua confiança o cartão bancário e a senha, para realizar o saque do benefício, seja por motivos de dificuldade de deslocamento ou por comodidade. Quando a família não comparece ao cartório para registrar a ocorrência do óbito, mesmo de posse da Declaração fornecida pela rede de saúde, e continua realizando as operações bancárias em nome do segurado, está cometendo uma irregularidade e terá que devolver aos cofres do INSS todos os valores que recebeu indevidamente.

A Previdência Social tem um setor, chamado Monitoramento Operacional de Benefícios (MOB), encarregado de fazer o acompanhamento dos benefícios concedidos, e detectar os casos em que haja indícios de irregularidade.

No caso do recebimento de benefício por terceiros, após o óbito do segurado, esse setor atua em conjunto com o Tribunal de Contas da União, os Sistemas Públicos de Saúde e Cartórios, para acompanhar os benefícios. Após fazer o levantamento das informações e as averiguações necessárias, comprovado o fato, o INSS convoca a família para prestar esclarecimentos e devolver os valores recebidos em nome do falecido.

Caso a pessoa que sacou o benefício se negue a ressarcir à Previdência Social, o processo é encaminhado ao Departamento da Polícia Federal, onde passa a ser tratado como crime de estelionato.

Somente em 2012, no Paraná, cerca de R$10 milhões retornaram aos cofres da instituição, pagos por familiares ou terceiros que receberam, irregularmente, os valores de benefícios de segurados já falecidos. (Maria Cristina Pires/SCS PR)

[5]