Blog de Notícias de CABECEIRAS








Cabeceiras na Horizontal ou Vertical? Escolha a Sua!

Cabeceiras estofadas estão em alta na decoração! Um quarto bem decorado faz toda diferença! E não poderia ser diferente com essa parede que fica atrás de nossa cama. A função da cabeceira é dar apoio …

Mulheres guerreiras

Maria Aparecida Macêdo (Aurilândia), Marilda Oliveira (Bom Jesus de Goiás), Cristina Moura (Bonópolis), Maria Aparecida Costa (Buritinópolis), Nadir Paiva (Cabeceiras), Maria Inês Brito (Ceres), Giselle Araújo (Cidade Ocidental), Andreia Depollo ...

EQUIPAS CABECEIRENCES EM DESTAQUE NO RALI SERRAS DE FAFE

Num fim-de-semana repleto de emoções fortes as equipas cabeceirenses não passaram despercebidas no Rali Serras de Fafe, deixando o público bastante entusiasmado. No que diz respeito ao Campeonato FPAK…

Pato-Mergulhão é estrela de campanha pela conservação das águas

e os parques nacionais do Jalapão (TO), e da Chapada dos Viadeiros (GO), onde "há poucos indivíduos". A iniciativa pretende inserir o pato-mergulhão na rotina das pessoas. "A água que você precisa é a mesma que ele precisa. O pato é o mote ...

PRESIDENTE DO MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO RECEBE COMITIVA DO BENFICA NOS PAÇOS DO CONCELHO

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, ganhou esta manhã, 11 de março, nos Paços do Concelho, os dirigentes, treinadores e jogadores do Sport Lisboa Benfica (Futsal…

Vivence Hotéis inaugura primeiro hotel de categoria econômica

A Suíte Luxo ocupa uma área de 16 m² com ar-condicionado split, TV LED 32”, cama box, telefone, frigobar, luminária de cabeceira, cofre eletrônico ... unidades do Vivence Express Hotel em Goiânia (GO) e Anápolis (GO). Também na capital goiana ...

Grave situação política em Cabeceiras de Basto

Comissão Política Distrital do PSD de Braga   COMUNICADO   A Comissão Política Distrital do PSD de Braga vem publicamente, face à gravidade da situação política que se verifica no Concelho de Cabe…

O Kosovo é em Cabeceiras de Basto

O Exército português está a preparar a próxima missão no Kosovo em Cabeceiras de Basto. Mais concretamente na aldeia de Busteliberne, que deve ter sido escolhida derivado ao nome. O multijornalista Ca…

Inaugurada em dezembro Via Expressa em menos de 3 meses

Jeisael Marx - Inaugurada a segunda etapa no início de dezembro, a Via Expressa nunca ficou pronta de verdade. A obra foi entregue às pressas por Roseana Sarney antes de abandonar o governo, e já apre…

MILITARES QUE VÃO PARA O KOSOVO APRONTAM-SE EM CABECEIRAS DE BASTO

Os militares do Grupo de Auto-Metralhadoras (GAM) que se preparam em Cabeceiras de Basto para uma missão no Kosovo chegaram esta manhã, dia 27 de fevereiro, à vila. Três viaturas pesadas do Exército P…

Últimas notícias de CABECEIRAS GO:


Vivence Hotéis inaugura primeiro hotel de categoria econômica A Suíte Luxo ocupa uma área de 16 m² com ar-condicionado split, TV LED 32”, cama box, telefone, frigobar, luminária de cabeceira, cofre eletrônico ... unidades do Vivence Express Hotel em Goiânia (GO) e Anápolis (GO). Também na capital goiana ...

Tráfego de caminhão é restrito na BR-050 em ponte que liga MG a GO Após a verificação do problema, a concessionária iniciou a elaboração do projeto das obras de recuperação da ponte e está implantando sinalização vertical de regulamentaç&atild e;o e advertência nas cabeceiras da ponte e em pontos estratégicos da BR ...

CABECEIRAS GO tspan:3m CABECEIRAS GO


Patrulha será reforçada contra roubos nas fazendas O presidente da comissão, Arno Weis, que também é presidente do Sindicato Rural de Cabeceiras, esteve presente na ocasião e fez questão de destacar o trabalho desenvolvido pelas patrulhas rurais. “Quero chamar a atenção para a importância dos ...

Blur confirmados para o SBSR’15 Até lá, deixamos o novo single “Go Out” e um dos maiores clássicos da banda ... Boris Berezovsky ficava à cabeceira, no lugar do padrinho. Tinha-se infiltrado no Kremlin, cercando Yeltsin e conquistando a sua confiança, tendo primeiro conseguido ...

Em evento da Câmara, palestrantes falarão sobre rios e nascentes de Tangará A Câmara Municipal de Tangará da Serra realiza esta semana o Evento “Água, nosso bem maior”, em comemoração ao Dia da Água. O evento será realizado no Plenário “Vereador Daniel Lopes da Silva”, na Câm…

Caso de menino que não envelhece chama a atenção em Boa Hora O caso de um jovem de 23 anos que não envelhece tem chamado a atenção, há anos, de todos que o veem. Apesar da idade, Francisco das Chagas mantém a aparência física e a cognição de uma criança, com id…

Jogo com o Pica em risco...VERGONHOSO, Direcção do Desportivo de Arco de Baúlhe ameaça “bater com a porta”. Redacção "Arbitragens tendenciosas" Em comunicação enviada à Redacção de FafeDesportivo, "A Direcção do Desportivo de Arco de Baúlhe ameaça “bater com a porta”, equacionando o abandono das suas equi…





Siga-nos e receba notícias e assuntos de interesse das cidades

Como fazer para ter um Drobe voando em CABECEIRAS?

Assunto do momento, os voos de aeronaves não tripuladas, que vêm se difundindo pelo mundo nos últimos anos, suscitam ainda muitas dúvidas, confusões e curiosidades na busca pela informação correta. De fato, é até certo ponto compreensível, uma vez que a tecnologia começou a ser popularizada muito recentemente e praticamente todos os países ainda buscam as melhores soluções para uma regulamentação da atividade em detalhes de modo a viabilizar a segurança necessária, sobretudo diante dos prognósticos do crescimento exponencial da atividade.

Um Veículo Aéreo Não tripulado não é um brinquedo e não pode ser considerado como tal. Possui regras próprias que diferem da já conhecida atividade de aeromodelismo e, por isso, precisa de certificação e autorização para voo. Mas como solicitar estas autorizações? O que fazer para operar uma aeronave destas no Brasil? Qual a legislação pertinente à atividade? Qual legislação ainda será criada? Qual a diferença entre drone e VANT? O que é um RPA?

O objetivo deste texto é esclarecer ao menos os princípios básicos a respeito das autorizações para voos não tripulados, no âmbito do Decea, e as normatizações (existentes e previstas) referentes ao assunto no País.

Nomenclatura

Drone

Antes de mais nada, é importante destacar que o termo “drone” é apenas um nome genérico. Drone (em português: zangão, zumbido) é um apelido informal, originado nos EUA, que vem se difundindo mundo a fora, para caracterizar todo e qualquer objeto voador não tripulado, seja ele de qualquer propósito (profissional, recreativo, militar, comercial, etc.), origem ou característica. Ou seja, é um termo genérico, sem amparo técnico ou definição na legislação.

VANT

VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado), por outro lado, é a terminologia oficial prevista pelos órgãos reguladores brasileiros do transporte aéreo para definir este escopo de atividade. Há, no entanto, algumas diferenças importantes. No Brasil, segundo a legislação pertinente (Circular de Informações Aéreas AIC N 21/10), caracteriza-se como VANT toda aeronave projetada para operar sem piloto a bordo. Esta, porém, há de ser de caráter não recreativo e possuir carga útil embarcada. Em outras palavras, nem todo “drone” pode ser considerado um VANT, já que um Veículo Aéreo Não Tripulado utilizado como hobby ou esporte enquadra-se, por definição legal, na legislação pertinente aos aeromodelos e não a de um VANT.

RPA

Do mesmo modo, há dois tipos diferentes de VANT. O primeiro, mais conhecido, é o RPA (Remotely-Piloted Aircraft / em português, Aeronave Remotamente Pilotada). Nessa condição, o piloto não está a bordo, mas controla aeronave remotamente de uma interface qualquer (computador, simulador, dispositivo digital, controle remoto, etc.). Diferente de outra subcategoria de VANT, a chamada “Aeronave Autônoma” que, uma vez programada, não permite intervenção externa durante a realização do voo. Como no Brasil a Aeronave Autônoma tem o seu uso proibido, tratemos a partir daqui apenas das RPA. A chamada RPA, enfim, é a terminologia correta quando nos referimos a aeronaves remotamente pilotadas de caráter não-recreativo.

RPAS

Há ainda o termo RPAS, que nada mais é do que um sistema de RPA. Em outras palavras, nos referimos às RPAS quando citamos não só a aeronave envolvida mais todos os recursos do sistema que a faz voar: a estação de pilotagem remota, o link ou enlace de comando que possibilita o controle da aeronave, seus equipamentos de apoio, etc. Ao conjunto de todos os componentes que envolvem o voo de uma RPA usamos, portanto, o nome de RPAS (Remotely Piloted Aircraft Systems).

Exemplos de uso

Como exemplos de usos de RPAS pode-se citar aeronaves remotamente pilotadas com os seguintes propósitos: filmagens, fotografias, entregas de encomenda, atividades agrícolas, missões militares, mapeamento de imagens 3D, monitoramento meteorológico, missões de busca, missões de governos, defesa ciivil, defesa aérea, usos como robôs industriais, patrulha de fronteiras, combate a incêndios, combate ao crime, inspeção de plataformas de petróleo, distribuição de remédios em ambientes hostis, entre muitos outros usos que já existem ou ainda estão por vir.

Legislação

Muitas pessoas acreditam que não há regulamentação no Brasil para o uso de RPA e até mesmo para o voo de aeromodelos. Isso não é correto. Há uma Circular de Informações Aeronáuticas especialmente dedicada ao tema, a AIC N 21/10 – VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS, conforme citado acima.

Para o caso de aeromodelos, há a Portaria DAC nº 207, que estabelece as regras para a operação do aeromodelismo no Brasil.

Do mesmo modo, no que couber, há ainda o Código Brasileiro de Aeronáutica, os RBHA (Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica) os RBAC (Regulamento Brasileiro de Aviação Civil), o Código Penal e a Constituição Brasileira.

O assunto, porém, é novo e naturalmente não só o Brasil, bem como o mundo todo, ainda não dispõe de uma regulamentação detalhada que englobe todos os usos, características, funções, necessidades, restrições, funcionalidades e perigos da novidade. Esforços estão sendo empreendidos para uma regulamentação mais abrangente da atividade no País – que leve em conta a participação de todos os atores envolvidos – o mais breve possível, o que ocorrerá ainda neste ano.

Desse modo, o Decea, em consonância com outros órgãos, vem trabalhando a fim de possibilitar a inserção no espaço aéreo de forma segura e controlada, do mesmo modo que vem fazendo com as aeronaves tripuladas desde que as mesmas começaram a voar no País.

RPA

Premissas Básicas

– Qualquer equipamento que saia do chão de forma controlada, permaneça no ar de forma intencional e seja utilizado para fins outros que não seja para esporte, lazer, hobby ou diversão deve ser encarado como uma RPA;

– A RPA é uma aeronave e será tratada como tal, independentemente de sua forma, peso e tamanho;

– O voo de uma RPA não deverá colocar em risco pessoas e/ou propriedades (no ar ou no solo), mesmo que de forma não intencional;

– As RPA deverão se adequar às regras e sistemas existentes;

– As RPA não recebem tratamento especial por parte dos órgãos de controle de tráfego aéreo;

– A designação de uma RPA independe de sua forma, tamanho ou peso. O que define se um equipamento será tratado como uma RPA ou não é o seu propósito de uso.

Exemplo: a atividade realizada com equipamentos não tripulados que utilizam determinada porção do espaço aéreo, com o propósito exclusivo de uso voltado a hobby, esporte e/ou lazer, é classificada como aeromodelismo, independente de sua forma, peso ou tamanho. Para a utilização de aeromodelos, devem ser seguidas as regras previstas na Portaria DAC no 207/STE, já citada acima.

É importante destacar aqui que, mesmo nos casos de uso de aeromodelos, o Código Penal Brasileiro prevê, entre outras coisas, a proteção da integridade corporal de pessoas, e, em caso de negligência desta observação, dependendo do caso, as ações poderão ser tratadas como lesão corporal ou ainda, no caso de consequências maiores, poderão ser tratadas até mesmo de forma mais grave, mesmo sem a ocorrência de fatalidades.

– Qualquer intenção de operação com propósitos diferentes daqueles voltados ao lazer, esportes e hobby, deverá ser devidamente analisada e aprovada pela Anac. Mais uma vez, o que deve ser analisado é o propósito do voo, independentemente do equipamento utilizado.

Autorização de RPA – Uso Experimental

Para a operação experimental de RPAS, um Certificado de Autorização de Voo Experimental (CAVE) deve ser solicitado à Anac, conforme as seções 21.191 e 21.193 do Regulamento Brasileiro da Aviação Civil n° 21 – RBAC 21.

A Instrução Suplementar 21-002 Revisão A, intitulada “Emissão de Certificado de Autorização de Voo Experimental para Veículos Aéreos Não Tripulados”, orienta a emissão de CAVE para Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPA) com os propósitos de pesquisa e desenvolvimento, treinamento de tripulações e pesquisa de mercado.

O CAVE é emitido para um número de série específico de uma RPA, portanto não é possível emiti-lo sem apresentar a aeronave específica, para a qual se pretende emitir um CAVE.

No que diz respeito a esses voos experimentais de RPAS, o Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica nº 91 – RBHA 91, intitulado “Regras gerais de operação para aeronaves civis”, na seção 91.319, parágrafo (a), define que “Nenhuma pessoa pode operar uma aeronave civil com certificado de autorização de voo experimental (CAVE) para outros propósitos que não aqueles para os quais o certificado foi emitido, ou transportando pessoas ou bens com fins lucrativos”.

Por fim, ressaltamos que o Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) – Lei no 7.565, de 19 DEZ 1986, em seu Artigo 119 diz que “As aeronaves em processo de homologação, as destinadas à pesquisa e desenvolvimento para fins de homologação e as produzidas por amadores estão sujeitas à emissão de certificados de autorização de voo experimental…”

Autorização de RPA – Uso com Fins Lucrativos

A fim de viabilizar a operação de RPAS com fins lucrativos, operação esta que não é caracterizada como experimental, deve ser encaminhado à Anac um requerimento devidamente embasado, destacando as características da operação pretendida e do projeto do RPAS, de modo a demonstrar à Anac que o nível de segurança do projeto é compatível com os riscos associados à operação (riscos a outras aeronaves em voo e a pessoas e bens no solo).

Contudo, a Anac ainda não possui regulamentação específica relacionada à operação de RPAS com fins lucrativos e, até o momento, este tipo de requerimento está sendo analisado, caso a caso, pela área técnica da Anac e apreciado pela Diretoria Colegiada, que então delibera pelo deferimento ou indeferimento da autorização.

A publicação, no entanto, de legislação da Anac referente à operação de RPAS com fins lucrativos será precedida de audiência pública, ocasião em que os interessados poderão ler a minuta e submeter comentários à Anac para aprimoramento da proposta, se assim o desejarem. Até o momento, no que couber, deve ser aplicada aos RPAS, a regulamentação já existente (por exemplo, o RBHA 91, que contém as regras gerais de operação para aeronaves civis; o RBAC 21, que trata de certificação de produto aeronáutico; o RBAC 45, acerca das marcas de identificação, de nacionalidade e de matrícula e o RBHA 47, referente ao registro da aeronave no Registro Aeronáutico Brasileiro).

Vale lembrar que nenhuma operação de Aeronave Remotamente Pilotada civil poderá ser realizada no Brasil sem a devida autorização da Anac, seja ela em caráter experimental, com fins lucrativos ou que tenha qualquer outro fim que não seja unicamente o de lazer, esporte, hobby ou competição.

Autorização de Voo

Qualquer objeto que se desprenda do chão e seja capaz de se sustentar na atmosfera – com propósito diferente de diversão – estará sujeito às regras de acesso ao espaço aéreo brasileiro. Desse modo, todo o voo de Aeronaves Remotamente Pilotadas (RPA) precisa de autorização do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), exatamente como no caso das aeronaves tripuladas. Ou seja, a regra geral, seja aeronave tripulada ou não, é a mesma, já que é imprescindível a autorização para o voo. A exceção para os dois casos, também, é a mesma: os voos que tenham por fim lazer, esporte, hobby ou competição, que têm regras próprias.

Os procedimentos para solicitar a autorização de uso do espaço aéreo devem observar, porém, a localidade em que se pretende voar já que o espaço aéreo brasileiro é dividido em sub-regiões aéreas de responsabilidades de diferentes órgãos operacionais regionais, subordinados ao Decea. Esses órgãos são os quatro Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo, os chamados Cindacta, que atuam diretamente no controle aéreo dessas áreas – denominadas, por padrão internacional, de FIR (em português, Regiões de Informação de Voo) – que preenchem a totalidade da área de responsabilidade do Brasil. Há ainda um outro órgão regional, responsável exclusivamente pelo uso do espaço aéreo entre as terminais aéreas do Rio de Janeiro e São Paulo: o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP).

Em suma, a solicitação deverá ser encaminhada ao órgão responsável pela área de jurisdição a ser voada. Veja na figura abaixo a divisão do espaço aéreo brasileiro em FIRs e os Cindacta responsáveis por cada região (obs: entre as terminais aéreas do Rio de Janeiro e São Paulo, o órgão regional responsável para autonomizações de voo é o SRPV-SP, como mencionado acima)

Procedimentos, Formulários e Contatos

Uma vez definido o órgão, a solicitação de uso do espaço aéreo deve ser encaminhada ao mesmo, por meio do preenchimento e envio do formulários via fax, conforme indicado abaixo.

DECEA – Formulario Autorização de Voo - VANT

Contato (fax) dos órgãos regionais do Decea para de autorização de voo VANT:

CINDACTA I – (61) 3364-8410

CINDACTA II – (41) 3251-5422

CINDACTA III – (81) 2129-8088

CINDACTA IV – (92) 3652-5330

SRPV-SP – (11) 2112-3491

Em caso da não observância das regras de segurança e voo em vigor ou em caso de interferência em procedimentos existentes, é importante destacar que ao Decea é reservado o direito de não autorizar o uso do espaço aéreo.

[15]




Vantagens de desvantagens da poupança em CABECEIRAS

É o investimento mais tradicional, conservador e popular entre os brasileiros, principalmente entre os de menor renda. Qualquer cidadão munido de CPF, documento de identidade e comprovante de renda e residência pode se dirigir a uma agência bancária para abrir a sua poupança.

A rentabilidade é calculada a partir de uma taxa de juros de 0,5% ao mês, aplicada sobre os valores atualizados pela TR (Taxa Referencial), creditada mensalmente na data de aniversário da aplicação.

Vantagens

- Liquidez imediata

- Não há prazos, mas valores mantidos por menos de um mês não recebem remuneração.

- Transação de baixo risco. Aliás, investimentos de até R$ 60 mil em uma conta poupança são garantidos pelo Fundo Garantidor de Crédito. O que significa que em caso de falência ou liquidação de uma instituição financeira este valor não será perdido.

- Para Pessoas Físicas há isenção de Imposto de Renda. Pessoas Jurídicas sofrem incidência de IR sobre os rendimentos com as seguintes alíquotas:

Aplicações até 180 dias: 22,5%

Aplicações de 181 a 360 dias: 20%

Aplicações de 361 a 720 dias:17,5%

Aplicações acima de 720 dias: 15%

Desvantagem

Por ser uma aplicação altamente conservadora, seu rendimento é menor até mesmo do que outras aplicações conservadoras. Nos primeiros 100 dias de 2011, o rendimento da poupança oscilou entre 0,5% e 0,67%. No mesmo período, a inflação registrada pelo IBGE nos primeiros meses do ano esteve acima deste patamar, o que torna este tipo de aplicação pouco atraente, na avaliação de especialistas.[3]



Mulheres guerreiras


Maria Aparecida Macêdo (Aurilândia), Marilda Oliveira (Bom Jesus de Goiás), Cristina Moura (Bonópolis), Maria Aparecida Costa (Buritinópolis), Nadir Paiva (Cabeceiras), Maria Inês Brito (Ceres), Giselle Araújo (Cidade Ocidental), Andreia Depollo ...



Pato-Mergulhão é estrela de campanha pela conservação das águas


e os parques nacionais do Jalapão (TO), e da Chapada dos Viadeiros (GO), onde "há poucos indivíduos". A iniciativa pretende inserir o pato-mergulhão na rotina das pessoas. "A água que você precisa é a mesma que ele precisa. O pato é o mote ...
Vivence Hotéis inaugura primeiro hotel de categoria econômica A Suíte Luxo ocupa uma área de 16 m² com ar-condicionado split, TV LED 32”, cama box, telefone, frigobar, luminária de cabeceira, cofre eletrônico ... unidades do Vivence Express Hotel em Goiânia (GO) e Anápolis (GO). Também na capital goiana ...
Tráfego de caminhão é restrito na BR-050 em ponte que liga MG a GO Após a verificação do problema, a concessionária iniciou a elaboração do projeto das obras de recuperação da ponte e está implantando sinalização vertical de regulamentaç&atild e;o e advertência nas cabeceiras da ponte e em pontos estratégicos da BR ...
Patrulha será reforçada contra roubos nas fazendas O presidente da comissão, Arno Weis, que também é presidente do Sindicato Rural de Cabeceiras, esteve presente na ocasião e fez questão de destacar o trabalho desenvolvido pelas patrulhas rurais. “Quero chamar a atenção para a importância dos ...
Blur confirmados para o SBSR’15 Até lá, deixamos o novo single “Go Out” e um dos maiores clássicos da banda ... Boris Berezovsky ficava à cabeceira, no lugar do padrinho. Tinha-se infiltrado no Kremlin, cercando Yeltsin e conquistando a sua confiança, tendo primeiro conseguido ...

O poder do agora em CABECEIRAS, saiba mais!

O Poder do Agora

Imagem de mãos sobre bola de fogo

A servidora Dalva Moura, lotada no Instituto Legislativo Brasileiro também se tornou colaboradora do Jornal Conversa Pessoal. Baseada no texto de Rodrigo Cardoso, que fala sobre “As 4 chaves do agora”, a servidora sugere, em duas etapas (nesta edição e na próxima), quatro atitudes que podemos tomar para fazer o agora acontecer.

O Poder do Agora, segundo Eckart Tolle, nos diz que “a única verdade em nossas vidas é o momento presente”. Mas, precisamos ter metas para o futuro sim! Elas nos dão esperança. E esperança no futuro significa força, motivação no presente. Porém, felicidade só pode acontecer, como diz Rodrigo Cardoso, agora, no momento presente, a felicidade está no caminho para realizar seus sonhos e não no fim.

No entanto, muitas pessoas têm dificuldade de conseguir acessar este estado de presença, o momento presente com serenidade, e por isso, vamos, seguindo orientações de Rodrigo Cardoso, encaminhá-lo às 4 Chaves do Agora que são:

1. atenção ao seu corpo;
2. atenção ao ambiente;
3. reconhecimento de suas emoções;
4. auto-observação – reconhecer suas emoções no exato instante em que elas aparecem.

1. Atenção ao seu corpo
Uma boa forma de interromper o fluxo incessante de pensamentos, muitas vezes limitadores, ladrões de energia, que querem nos culpar pelo mesmo erro infinitas vezes, que nos impedem de realizarmos o nosso melhor potencial: é dar atenção total ao seu corpo.

Ao prestar atenção em sua respiração, por exemplo, você começa a sentir a energia vital de seu corpo. Perceba que a respiração, o batimento cardíaco, acontece involuntariamente. Faz parte de nossa natureza.

Algumas pessoas, ao prestarem atenção em sua respiração, podem sentir uma espécie de vibração, essa é a energia do seu corpo. De acordo com a física quântica, somos feitos de átomos que vibram o tempo todo. É mais fácil se puder fazer esse exercício com os olhos fechados. Talvez você consiga sentir essa vibração agora mesmo, com os olhos abertos, apenas praticando o que está ouvindo.

O propósito desta prática oriental é acalmar a mente, entrar no agora e ter serenidade para, por exemplo, tomar uma decisão difícil no trabalho sem que ela seja influenciada por pensamentos destrutivos. Nesse estado, nos ligamos diretamente com nossa essência e costumamos tomar decisões bem mais assertivas, as chances de melhorarmos nossos relacionamentos profissionais e pessoais aumentam espantosamente, pois passamos a perceber que nem sempre estamos com a razão e conseguimos melhorar a compaixão pelas situações e pessoas.

2. Atenção ao ambiente
Todas as vezes que você dá atenção ao local onde se encontra, olha a sua volta, vê o que antes estava obscurecido por uma espécie de véu ou névoa de pensamentos, você entra na dimensão do momento presente.

Já aconteceu com você de perder algo como óculos, carteira, chaves ou caneta e dizer para si mesmo: Como pode? Estava em minhas mãos agora mesmo! Como isso pode acontecer?

O fato é que você estava tão entretido com os pensamentos do que tinha para fazer no futuro que deixou de prestar atenção no presente e, como mágica, perde as coisas sem ao menos perceber como.

Portanto, ao andar no parque, vejas as flores, procure ouvir os pássaros, essa é uma boa prática. Se estiver dirigindo, procure sentir suas mãos no volante, preste atenção aos carros a sua frente, as árvores a sua volta, ao local onde se encontra.

Quando você utiliza a chave de dar atenção ao ambiente, você novamente acorda para o agora, volta-se ao momento presente, interrompe por alguns instantes o fluxo incessante de pensamentos e com isso proporciona maior qualidade em suas tarefas e atividades.

Experimente!

Texto: Dalva Moura é servidora do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB). Se você quiser conversar com a autora, envie um e-mail para: dalva@senado.gov.br.
Imagem: http://terapias.files.wordpress.com


ATENÇÃO: A responsabilidade deste artigo é exclusiva de seu respectivo autor (fonte).


[7]


Olho Vivo com a corrupção em CABECEIRAS

O programa Olho Vivo no Dinheiro Público existe desde setembro de 2003 e foi criado por meio de parceria entre a Controladoria-Geral da União (CGU) e a organização não-governamental (ONG) Avante - Qualidade, Educação e Vida. Em princípio, o nome era Projeto de Mobilização e Capacitação de Agentes Públicos, Conselheiros Municipais e Lideranças Locais e visava orientar os agentes públicos municipais sobre práticas de transparência na gestão, a responsabilização e a necessidade do cumprimento dos dispositivos legais, bem como contribuir para o desenvolvimento e o estímulo do controle social.

A ampliação, o fortalecimento e a instrumentação do controle social são prioridades do Olho Vivo. Sua realização pode ocorrer de modo espontâneo, individualmente, no interior das associações civis e organizações não governamentais, ou por meio dos conselhos de políticas públicas instituídos por lei. Ações de estímulo ao controle social podem incrementar o trabalho dessas instituições, melhorando seus resultados.

Em sua fase atual, o programa Olho Vivo no Dinheiro Público está voltado principalmente para a capacitação dos cidadãos para o exercício do controle social dos recursos públicos, com atividades presenciais e a distância, incluindo instrução teórica e aulas práticas in loco nas áreas de saúde, educação e assistência social. Faz parte também do Olho Vivo no Dinheiro Público a criação e distribuição de questionários, cartilhas e manuais com informações sobre o exercício do controle social, inclusive abordando programas de governo específicos, como o Bolsa Família. [18]



*blogsbrasil.com - todos os direitos reservados. Selecionamos as principais notícias da cidade de CABECEIRAS GO. Os acontecimentos políticos, acidentes de trânsito nas rodovias, fatos do centro, dos bairros e do interior. Pesquisamos também os jornais locais e as redes sociais, bem como o site da prefeitura. O trabalho jornalístico consiste em captação e tratamento escrito, oral, visual ou gráfico, da informação em qualquer uma de suas formas e variedades. O trabalho é normalmente dividido em quatro etapas distintas, cada qual com suas funções e particularidades: pauta, apuração, redação e edição.A pauta é a seleção dos assuntos que serão abordados. É a etapa de escolha sobre quais indícios ou sugestões devem ser considerados para a publicação final. A apuração é o processo de averiguar informação em estado bruto (dados, nomes, números etc.). A apuração é feita com documentos e pessoas que fornecem informações, chamadas de fontes. A interação de jornalistas com suas fontes envolve freqüentemente questões de confidencialidade.A redação é o tratamento das informações apuradas em forma de texto verbal. Pode resultar num texto para ser impresso (em jornais, revistas e sites) ou lido em voz alta (no rádio, na TV e no cinema). A edição é a finalização do material redigido em produto de comunicação, hierarquizando e coordenando o conteúdo de informações na forma final em que será apresentado. Muitas vezes, é a edição que confere sentido geral às informações coletadas nas etapas anteriores. No jornalismo impresso (jornais e revistas), a edição consiste em revisar e cortar textos de acordo com o espaço de impressão pré-definido. A diagramação é a disposição gráfica do conteúdo e faz parte da edição de impressos. No radiojornalismo, editar significa cortar e justapor trechos sonoros junto a textos de locução, o que no telejornalismo ganha o adicional da edição de imagens em movimento. Tags: Últimas Notícias, CABECEIRAS GO, Cidade, Interior, Segunda, Terça, Quarta, Quinta, Sexta, Sábado, Domingo, Carro, Eleições, Crime, Estrada, Rodovia, Acesso, Greve, Eleições, Festa, Granizo, Chuva, Enchente,Aniversário, Prêmio, Mês, Fim de Semana, Hoje, Ontem, Anteontem, Hora, Pouco Tempo, Agora, Mulher, Homem, Família, Criança, Portal,Pessoas, Como saber, Site, Blog, Diário,Protesto,Inauguração, Cassação, Cassado, Show, Apresentação, Espetáculo, Fotos, Vídeos, Imagens, Previsão, Caminhão, Vítimas, Situação, Oposição, Eleições, Enquete, Votos, Apuração, Trânsito, Operação, PF, Delegacia, Praia, Localidade, Animais, Ver Fotos, NEWS LATEST LOCAL NEWSPAPPER.